RetroBoy – Hyper V-Ball

RetroBoy – Hyper V-Ball

11/08/2017 Off Por Diiiih

(SNES/Super Famicom)

Enquanto franquias lançam jogos de futebol, futebol americano, beisebol, basquete e hockey todos os anos, o mesmo não acontece para saciar a sede dos fãs de vôlei. Muito embora diversos jogos desse esporte tenham sido lançados, eles parecem ser focados na modalidade de vôlei de praia, ou são retratados de maneira muito casual, até mesmo caricata, como em Mario & Sonic at the Rio 2016 Olympic Games, Outlaw Volleyball, ou em Dead or Alive Xtreme Beach Volleyball e suas continuações.

Algumas tentativas de se fazer um jogo de quadra de equipes obtiveram um certo sucesso, destacando-se o excelente jogo Dig & Spike Volleyball, lançado para o Super Nintendo (SNES, Super Famicom), e os mais recentes, International Volleyball 2009 (PC) e Women’s Volleyball Championship, lançado em 2008 para o Playstation 2. Apesar disso, nenhum deles chegou a atingir, pelo menos no Brasil, a fama conseguida por Hyper V-Ball.

O jogo

Hyper V-Ball, ou Super Volley 2, como foi chamado no Japão em 1992, somente foi lançado no ocidente em junho de 1994. O game, desenvolvido pela empresa Video System e lançado pela Mc O’River nos Estados Unidos, é uma sequência de Super Volleyball do Mega Drive (Genesis) e TurboGrafx-16, e assim como seu antecessor, é um “port” dos fliperamas.

O jogo consiste em duas equipes de quatro jogadores, muito embora conste o nome de seis ao longo da partida, e deve-se enfrentar as demais seleções buscando o título mundial. Hyper V-Ball possui gráficos decentes, não muito diferentes de seu antecessor, mas com relação aos demais lançamentos, tanto do ano de 92, quanto de 94, quando chegou no Brasil, se mostrava bastante defasado na comparação com Mortal Kombat, Donkey Kong Country, Sonic 3 e outros.

Gameplay

Existem três categorias disponíveis para o jogador, masculina, feminina, e a responsável pelo sucesso do jogo, a hyper league, times de ciborgues com habilidades especiais. Para o primeiro e o segundo modo de jogo, temos as principais seleções da época, Brasil, Cuba, Estados Unidos, Japão e até mesmo a União Soviética (apesar de sua dissolução ter se dado um ano antes do lançamento oficial. Destaque para os nomes dos jogadores da seleção Brasileira: Ceara, Tamen, Para, Paulo, Minas e Goias.

A jogabilidade é simples, com apenas dois botões, o A para ataques e defesas simples, e o Y para os ataques especiais, aplicáveis apenas aos robôs, variando desde bola fantasma, ataque em zigue-zague, até uma bola de metal que nocauteia o jogador defensor. Pode parecer, à primeira vista, que o jogo tem poucos recursos, mas a gama de jogadas possíveis, tais como cortadas, bloqueios, manchetes, levantamentos e saques diferentes, o tornam muito interessante. No ataque o jogador pode optar por cortes fortes ou uma bola colocada, um ataque de segunda bola, ou o levantamento para a linha de três metros, trazendo uma maior complexidade ao longo do gameplay.

A trilha sonora do jogo foi assinada por Naoki Itamura, responsável também por Sonic Wings (Aero Fighters), clássico do Arcade e do Super Nes. Contando com pouco mais de dez faixas, o áudio casa bem com a proposta do game, chegando a empolgar em alguns momentos, mas ao longo de uma jogatina mais demorada, pode se mostrar um tanto repetitiva.

Hyper V-Ball é um jogo muito interessante e divertido para se jogar, particularmente com dois jogadores, pois a inteligência artificial do jogo se mostra simples e previsível. Esse é um jogo único, que pode trazer horas de diversão ao retro gamer e seus amigos, seja pelas jogadas especiais imprevisíveis, seja por jogadores nocauteados, ou até mesmo pelos comentários ácidos do juiz robô das partidas, que ironiza o jogador quando ele comete algum erro.

maxresdefault