[Review] The Midnight Sanctuary

Desenvolvedora:  CAVYHOUSE
Publicadora: Unties
Gênero: Visual Novel
Lançamento: 04 de outubro, 2018
Preço na eShop (US):  $9.99
Formato: Digital

the-midnight-sanctuary-nintendo-switch-20180911-800x445

*Guarde bem a imagem acima, você irá ve-la muito durante todo o jogo*

The Midnight Santcuary tem como foco a vila japonesa fictícia Daiusu. No jogo, Daiusu é uma vila que foi fundada e mantida em segredo por ter como religião, o cristianismo. E aí, já entra um dos elogios que eu tenho a fazer ao jogo. Como parte da trama, fatos reais foram inseridos na história. No jogo, é citado que a vila segue a religião cristã, e que foi fundada durante o período da repressão. Curioso, eu fui pesquisar que tal repressão seria essa, e aprendi um pouco da história do Japão medieval. Fiquei muito feliz por este jogo me despertar a curiosidade para algo tão específico e interessante que normalmente não veria em outro lugar. Nas nossas instituições de ensino por exemplo, a História é muito focada no eurocentrismo e pouco se fala sobre a história da Ásia. Portanto, ponto para o jogo.

Midnight-Sanctuary-3

Voltando, Daiusu foi fundada durante a era da repressão e por isso viveram todo esse tempo escondidos. Chega então os dias atuais e é decidido que a vila irá se revelar para o mundo, e, para ajudar no processo, a historiadora Hamomoru Tachibana é convidada para estudar o comportamento, os costumes e as lendas locais, com a finalidade de criar um guia histórico local e sugerir formas de modernização. Infelizmente não posso desenvolver mais, pois a partir daqui, seria spoiler.

The Midnight Sanctuary segue o gênero Visual Novel, só que, aqui, ao invés de imagens estáticas em 2D, o jogo inteiro é em 3D e é animado. Assistir aos eventos é quase como estar assistindo um desenho animado. Daí, venho a falar dos gráficos: o jogo apresenta uma arte muito bonita e vibrante. A única reclamação que eu tenho a fazer é que, os NPCs, ou, os personagens secundários, são “transparentes”, como se fossem um “buraco” no cenário, mostrando uma imagem estática ao fundo (a primeira imagem desta análise). Isso me causou um pouco de confusão logo de cara, pois foi um tanto complicado adaptar minha visão para entender que ali estavam os NPCs.

Falando da trilha sonora e do áudio em si, destaco três pontos: o jogo é inteiramente dublado em japonês, com legendas, o que ajuda e muito a imersão na experiência. O jogo também apresenta uma trilha sonora incrível e muito cativante, algo que eu considero essencial. Em terceiro lugar, devo destacar os efeitos sonoros, por exemplo, na cena do poço, há três mulheres “fofoqueiras” e, sempre que elas falam algo, há um efeito sonoro que ajuda muito a criar um clima de suspense. Outro ponto para o jogo.

screen4

Sobre o gameplay, devo dizer que este é quase nulo. Você apenas tem uma gama de opções para escolher onde visitar, e em cada cena, assiste a história e passa para a próxima etapa. Por isso, considero que The Midnight Sanctuary é mais do que um jogo e sim, uma experiência. Me senti assistindo a um filme. E isso não é ruim, já que a história é muito interessante e me instigou a querer ficar para o próximo capítulo a fim de descobrir o que estava acontecendo em Daiusu.

screen5

Concluindo, The Midnight Sanctuary oferece uma experiência única e interessante. Se você procura um jogo tradicional, talvez este não seja o caso. Mas se você procura uma experiência diferenciada, certamente vale a pena testar. Por $9,99 dólares você irá aproveitar mais do que se fosse ao cinema umas 5 ou 6 vezes, o que justifica a falta de fator replay. Devo dizer também que por vezes imaginei que este seria um perfeito jogo de RPG de simulação, se você pudesse controlar livremente Tachibana por Daiusu enquanto conversa com os moradores da vila. A CAVYHOUSE acertou em cheio nos visuais e na trilha sonora, fazendo uma combinação perfeita com a história misteriosa que o jogo oferece.

Avaliação: 9

*Jogo avaliado com o código fornecido gentilmente pela Unties*