[Review] The Princess Guide

Desenvolvedora: Nippon Ichi Software
Publicadora: NIS America
Gênero: RPG
Data de lançamento: 26 de março de 2019
Preço na eShop (US): $39,99
Formato: Digital / Versão física

The Princess Guide é um jogo que originalmente foi desenvolvido e publicado pela Nippon Ichi Software no ano passado no Japão com o nome de Anata no Shikihime Kyoukitan. Finalmente, um ano depois o jogo foi localizado e agora chega para os ocidentais. The Princess Guide pode ser entendido como uma sequência espiritual de Penny-Punching Princess, já que iremos ver muitas coisas remanescentes do primeiro jogo, seja no estilo de gameplay, monstros, cenários, etc.

fP6jVWZi13NnuarheuOHla8T5Sd3VeZR

A História

A trama do jogo gira em torno de um guerreiro que, cansado de participar de guerras, resolve mudar de vida, e seguindo o conselho de um amigo, resolve virar um instrutor. Com isso ele recebe o pedido de quatro princesas para treina-las e assim começa o jogo. Cada uma das princesas tem sua própria história e você deverá escolher uma delas para seguir até o fim da aventura. Entretanto, isso não significa que você não verá mais as outras personagens durante sua gameplay: Em certo ponto, as quatro princesas precisam trabalhar juntas antes de separarem seus caminhos novamente. Ainda, em alguns momentos uma princesa pode estar diretamente ligada à outra, como o caso da personagens Alpana e Liliarte, que são amigas de infância.

No início do jogo, você deverá passar pelo prólogo de cada princesa, cada um consistindo em quatro missões (que pra mim demorou um total de cerca de 4 horas, ou uma hora para cada princesa). Passando por este ponto, você deverá escolher uma princesa para seguir até o fim do jogo, e então irá levar aproximadamente mais 3 a 4 horas para fechar a campanha. O jogo pode não parecer tão longo quando olhado por este ponto de vista, mas lembre-se que antes de chegar no ponto de escolher a princesa, você deverá passar pelos prólogos, portanto, o jogo acaba se extendendo para bem mais que 20 horas para passar pelas quatro histórias.

Ainda falando sobre a história do jogo, devo falar sobre a escrita. Vemos em Princess Guide uma história cômica, com personagens em algumas situações absurdas, mas também com algum drama para criar um clima, bem típico do humor da NIS. Uma das coisas mais engraçadas que vi foi a personagem Veronica, que quer dominar o mundo “através do medo e do terror”, ou da personagem Liliarte, que não para de comer durante todo o jogo. 

WJYy06iUckoB1-2prcWYc-tIVZDOnb-9

O Gameplay

Como dito antes jogo é basicamente uma sequência de Penny-Punching Princess. Só que The Princess Guide pega o que foi apresentado antes e aprofunda bastante. Se antes você tinha apenas uma forma de atacar com socos e um único tipo de combo mais alguns especiais e o poder das relíquias, aqui você tem quatro estilos de luta diferente, já que o combate é diferente para cada princesa, além do estilo de combate do instrutor, aliado novamente às relíquias (tiradas diretamente de Penny-Punching Princess) e agora você também passa a controlar um grupo de soldados que lhe acompanham durante o jogo, e cada dupla de soldados possui uma certa quantidade de golpes especiais que você pode utilizar. Há diversas possibilidades de combos que você pode fazer utilizando os golpes simples e os especiais dos soldados junto ao especial de cada personagem e junto de uma relíquia… Ufa, é bastante coisa.

Novamente o jogo segue um estilo de RPG de Ação/Hack n’ Slash, onde você tem um cenário para andar com relíquias para conquistar e em certos momentos aparecerão ondas de inimigos para derrotar, e nesses momentos, haverá um “cercadinho” limitando o espaço da batalha, que é o mesmo visto em Penny.

Outra novidade que temos aqui é o sistema de repreender ou elogiar a princesa. Você poderá fazer isto durante a história (o que irá fazer com que a princesa aprenda uma nova matéria, que pode ser usado para melhorar os atributos da mesma ao usar o “Princess Training” dentro do menu base) ou poderá fazer o elogio/repreensão dentro da missão, o que fará com que o seu HP seja recuperado, sendo assim, algo muito útil. Outra coisa interessante é que se você for rápido o suficiente para fazer um elogio ao morrer, antes de aparecer a mensagem de falha, você poderá reviver e continuar o jogo sem ter que retornar ao ponto de partida anterior.

Como já mencionado antes, a princesa irá evoluir seus atributos ao treinar com as matérias obtidas. Essas matérias podem ser obtidas durante a história, ou durante as missões ao ser concluídos certos requisitos. Ao treinar a princesa, você também receberá alguns pontos de skill para aumentar os atributos do instrutor numa tela exatamente igual à de Penny-Punching Princess.

Outra coisa que acho legal mencionar é que, como eu joguei Princess Guide basicamente em seguida após ter terminado Penny-Punching Princess, achei muito interessante que até mesmo a maioria dos monstros neste jogo vieram diretamente do primeiro. A impressão que tive foi de que estava jogando uma “versão HD de PPP”, já que aqui os personagens são todos em HD, contra o estilo 16-bits da primeira aventura.

Vale a pena falar um pouco também sobre o mapa do mundo. Cada personagem tem um mapa próprio cheio de pontos de interesse, e você deverá navegar por esse mapa para ir até a próxima missão, pegar itens (certos pontos de interesse ficam com um desenho de um baú, significando que basta parar ali para pegar um item) e lutar contra monstros (ao esbarrar num monstro você irá para uma tela de batalha). No início eu tive um pouco de dificuldade para entender o que estava acontecendo, mas uma vez que dominei o mapa, navegar por ele se tornou algo bem simples. Para avançar no jogo basta ir para a próxima missão, mas há também missões paralelas para serem feitas. Estas porém irão expirar passado um tempo, que fica correndo no canto da tela.

lj0Rc1UptCJQ3uVwtR3nFlVU0vNcNWqY

O Gráfico

E como já comecei falando que este jogo parece uma parece uma versão HD de Penny-Punching Princess, não há como negar. Os monstros vieram do primeiro jogo, os cenários, embora haja muitos originais, algumas fases tem assets presentes no primeiro jogo, porém “otimizados”, e até a tela de game over é igual. Só que aqui há vários efeitos especiais em tela, com efeitos de blurry nos cantos da imagem e muitas cores vibrantes. Uma pequena reclamação que tenho a fazer não é do gráfico em si, mas que as vezes tem tanta coisa acontecendo em tela ao mesmo tempo que fica até complicado distinguir quem é meu personagem e quem são os inimigos. Muitas vezes me peguei sendo guiado pelo mini mapa no canto da tela, ou pela barrinha de vida do inimigo, para saber onde eu tinha que atacar.

Gi1b8yzUxZu8zN9JMV5KjKFTXJ9TUbtH

A Trilha Sonora

The Princess Guide tem uma trilha sonora maravilhosa, com bastante pegada de rock, utilizando muita guitarra distorcida combinando com dedilhados em efeitos clean, linhas de baixo maravilhosas e uma bateria eletrônica maravilhosa. Tudo isso combinando com teclados sintéticos, sinfônicos e também algumas partes acompanhada de coro. O resultado foi maravilhoso com músicas que grudam na mente. E como não podia faltar, aqui há também algumas músicas remixadas vindas diretamente de Penny-Punching Princess, o que ao meu ver foi um toque a mais para o charme do jogo. Realmente, quem jogou a primeira aventura vai se sentir em casa aqui.

6v57B6BKn_r5FafULWOUOrffjnBvV4GC

Conclusão

The Princess Guide é um excelente jogo para quem quer algo rápido, já que as missões podem durar de 4 a 10 minutos cada, dependendo do seu desempenho, porém esteja avisado que se este foi seu tipo de jogo, será difícil não ficar pelo menos algumas horas jogando. As músicas casam perfeitamente com a aventura, criando um excelente clima para jogar, além de ficarem grudadas na mente. Apesar da história individual de cada princesa não ser tão grande e durar pouco menos de 10 horas cada, você ainda tem um jogo longo quando para para perceber que são quatro histórias, portanto, o conteúdo oferecido é bem generoso. E há ainda a cereja do bolo, que se você jogou Penny-Punching Princess, Princess Guide será algo ainda melhor, embora não haja a necessidade de ter jogado o primeiro para entender o seguindo. Minha reclamação fica mesmo para a bagunça na tela pela quantidade de personagens ao mesmo tempo, citada na parte “gráfico”, e em relação à navegação no mapa, que demorei um pouco para entender como funcionava a progressão do jogo.

Avaliação: 9

*Jogo avaliado no Nintendo Switch com o código fornecido gentilmente pela NIS America*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *