[Review] Fire Emblem: Three Houses

Desenvolvedora: Intelligent Systems
Publicadora: Nintendo
Gênero: Estratégia, RPG
Data de lançamento: 26 de Julho, 2019
Preço na eShop: US $59,99
Formato: Digital/Físico

Fire Emblem é uma série de RPG de estratégia da Intelligent Systems que surgiu lá no Famicom (NES) no Japão, mas só foi dar as caras no ocidente em 2003 no Game Advance com jogo chamado apenas de Fire Emblem (Fire Emblem: Rekka no Ken no Japão).

A série passou por altos e baixos ao longo de sua vida, sendo ela quase engavetada se não fosse pelo fenômeno Fire Emblem: Awakening para o Nintendo 3DS. Com Fire Emblem agora sendo uma das franquias mais bem sucedidas da Nintendo, a Intelligent Systems está trazendo agora para os fãs uma nova experiência com Fire Emblem: Three Houses, lançado no final do mês passado para o Nintendo Switch!

Fire Emblem: Three Houses pode se dizer tão inovador quanto Fire Emblem: Awakening foi na sua época, não por apenas estar em um console mais robusto. O jogo tem o maior sistema de customização de aliados e interação na história da série. Nunca foi tão divertido interagir e preparar seu personagem para o campo de batalha. E este é um dos fatores que mais irei falar nesta minha análise.

História do jogo

Em Fire Emblem: Three Houses você controla Byleth – este será seu personagem principal do início ao fim e você pode escolher jogar em sua forma masculina ou feminina (Infelizmente não há como customiza-lo como em Fire Emblem Awakening e Fire Emblem Fates). No entanto, irei citar Byleth como personagem feminina aqui, já que foi a versão que eu escolhi.

Byleth é filha de Jeralt, um mercenário que antes atuava como Cavaleiro de Seiros sob ordens de Rhea, a líder suprema da igreja de Seiros, que é localizada no Monastério Garreg Mach. Jeralt e Byleth acabam por ajudar um grupo de jovens que estavam sendo atacados por bandidos. Durante a batalha, Byleth acaba de encontro com uma garota misteriosa chamada Sothis (ou O início), que lhe concede o poder de voltar alguns segundos no tempo – além de guardar um grande mistério. Após salvar os jovens, Jeralt e Byleth são convidados a ir para Garreg Mach, uma vez que identificam Jeralt e falam o quão fabuloso Jeralt era quando servia a igreja de Seiros.

Rhea pede para Jeralt voltar a servi-lá, mas acaba tendo um certo interesse em Byleth quando bete olho nela. Byleth não pode trabalhar com seu pai, então, acaba assumindo o papel de professor. Byleth terá que educar, interagir, e preparar seus alunos para o campo de batalha. Nesta parte você descobre que os jovens que salvou anteriormente são futuros líderes de suas terras. Cada um deles são representantes de uma casa no Monastério, sendo eles: Edelgard dos Black Eagles, Dimitri dos Blue Lions, e Claude dos Golden Deer. Você terá que escolher uma das casas para ensinar, cada casa possui outros alunos além do seus respectivos representantes. As outras casas ficarão sob responsabilidade de outros professores.

A trama em si gira em torno dos três representantes de cada casa, mas Byleth não será apenas um personagem solto que é feito apenas para te representar no jogo. Byleth é envolvida em uma série de mistérios, bem como ser o único a usar a lendária Espada do Criador. A Espada do Criador é um artefato usado pelo Rei da Libertação em uma gerra envolvendo Seiros no passado. Você aprende que há mais artefatos como a espada, mas são raras as pessoas que podem manusear. Se você não possui um Crest ou Crest Stone compatível, o artefato o consumirá com sua energia, mas isso não se aplica à Byleth por algum motivo.

A história de Fire Emblem: Three Houses é complexa o suficiente para quem não entende muito do inglês poder se perder facilmente, mas ao mesmo tempo é deveras interessante, ainda mais que tudo é jogado aos poucos para deixar o jogador mais preso ainda no jogo. Mas se você já jogou algum outro título da série, ainda há aquele clichê de reinos se enfrentando em um mundo de fantasia medieval.

Gameplay

Fire Emblem Three Houses não mudou muito sua fórmula quando falamos de combate. Ele até trouxe algumas novidades como sistema de Gambit, que você contrata um grupo de soldados para realizar um ataque em massa em ou mais inimigos. A Intelligent Systems também optou por retirar o famoso sistema de triângulo, onde tornava uma arma mais vantajosa que a outra: a espada é eficaz contra machado, que é eficaz contra lança, e que por sua vez é efetiva contra espada. Os mais acostumados certamente sentirão falta, inclusive eu, mas isso é apenas questão de adaptação.

Eu li uma entrevista onde o diretor disse que queria trazer um combate mais realista ao jogo. Segundo ele não faria sentido um personagem mais fraco vencer de outro mais forte só pela vantagem de armas. É claro, outros elementos de vantagens e desvantagens continuam lá. Um exemplo disso é o arqueiro sempre ter mais vantagem contra aqueles que ficam no céu, ou um heavy armor ter desvantagens contra feiticeiros, mas tem grande vantagem em combate corporal.

O plus aqui é o seu cotidiano no Monastério. Aqui vemos você em seu trabalho como professor, cujo objetivo é preparar seus alunos para o campo de batalha. Quando falamos de interação entre personagens e customização, Fire Emblem: Three Houses tem o sistema mais rico da série. A Intelligent Systems conseguiu tornar a feature tão boa quanto a gameplay principal. Tudo é muito divertido, desde participar de eventos a cumprir sidequest, e até mesmo convidar alguém para tomar chá e bater um bom papo.

No jogo, você tem um calendário de atividades, sendo o último dia do mês reservado para o andamento da história principal. No começo da semana você prepara a agenda de atividades de seus alunos, onde ali cada um deles irá melhorar suas habilidades de classe ou moldar para um nova classe. Aos domingos, você estará de folga, então poderá explorar o Monastério. Lá há várias atividades a serem feitas como eventos de pesca, almoço, festa do chá, aulas de canto, treinamentos e etc. Interagir com as pessoas além dos seus alunos é de suma importância, ainda mais se deseja recrutar alguém no futuro que não está na sua equipe principal. Os alunos não são os únicos que precisam aprender. Aumentar sua experiência como professor também é importante, pois desabilita uma série de coisas.

A maneira que você muda a classe de cada personagem é diferente dos demais jogos. Antes você precisava atingir um certo nível que seja compatível com um selo para a mudança de classe. Ao mudar sua classe, os status eram mudados e você volta ao nível 1. Em Fire Emblem: Three Houses, as classes disponíveis vai de como você moldou o aluno durante as aulas. Além disso, antes de mudar a classe você precisa fazer uma prova onde a porcentagem de aprovação vai do quão bem o aluno está em sua individualidade. O mesmo se aplica ao professor.

Acho que expliquei todo o básico, mas no geral, Fire Emblem Three Houses não foge tanto do que costumamos a ver nos jogos anteriores. Eu particularmente adorei poder ter uma interação melhor com os personagens, no início tudo parece ser meio genérico com personagens não tão carismáticos assim, mas não há nada melhor do que conhecer mais a fundo um personagem que particularmente você não dava nada. Saber seu hobby, sua comida favorita, seus gostos, frustrações, problemas individuais, é tudo muito bom e torna cada personagem único.

Gráficos e trilha sonora

A Koei Tecmo participou do desenvolvimento de Fire Emblem: Three Houses. Ela parece ter cuidado de todo o estilo gráfico do jogo (ou quase todo). Se você jogou Fire Emblem Warriors no Switch, viu semelhança nos gráficos, o que não achei ruim, pois Fire Emblem Warriors é graficamente muito bonito. Então, chamar a Koei Tecmo para aproveitar a Engine do Fire Emblem Warriors foi a escolha mais sensata da Intelligent Systems.

Há até algumas coisas para criticar aqui como por exemplo alguns detalhes visuais encontrados no Monastério. O Monastério é todo explorável, e eles colocaram uma opção de aumentar o zoom do lugar deixando uma visão em primeira pessoa, é ali que você encontra os pequenos defeitos ou se posso dizer “preguiça dos desenvolvedores”. Devo frisar que Fire Emblem nunca foi sinônimo de gráficos, o importante sempre será a história e a gameplay. Acredito que usar o poder do Switch para fazer algo mais caprichado que o normal está mais para um mimo do que atender pedidos dos fãs. Mas aqui é diferente, o jogo originalmente seria lançado em 2018, mas foi atrasado quase 1 ano como desculpa de melhorar ainda mais a qualidade do jogo. Só que aí você vê detalhes como cestos de frutas com um PNG em baixo resolução no lugar, apesar de não afetar absolutamente em nada na sua experiência, é como tirar sarro dos jogadores que passaram a comprar Fire Emblem a preço cheio esperando de fato a qualidade.

Sobre a trilha sonora, sempre achei épico as músicas do jogo com aquele estilo orquestrado. A Intelligent Systems não fugiu muito desse padrão, mas não deixa de estar muito boa por sinal.

Conclusão

Fire Emblem: Three Houses é um jogo que certamente entregou qualidade em quase todos os aspectos. Ele é facilmente um dos melhores jogos da série e o melhor jogo de estratégia do ano na minha opinião. A Intelligent Systems colheu frutos com Fire Emblem Awakening e Fire Emblem Heroes para tonar essa nova entrada uma realidade.

As mecânica introduzidas no jogo foram de muito agrado, e espero que mantenham algo similar nos próximos títulos. Uma coisa que não citei anteriormente foi um tutorial menos didático para os novatos na série, então recomendo antes baixar Fire Emblem Heroes no seu smartphone para aprender todo o básico na prática, e não através de textos. Fora isso, o jogo é um jogo mais que obrigatório para os amantes de RPG de estratégia e claro, para um fã de Fire Emblem.

Avaliação: 9

  • Jogo avaliado por cópia comprada pela minha pessoa

Significado das notas de 1 a 7 (e de 1 a 10 nos parenteses)

1 – Melhor vomitar do que jogar isso
3 – Vai fazer outra coisa.
5 – Só jogue se você for MUITO fã mesmo…
6 – Jogo legal pra se divertir e se distrair.
8 – jogo bom, vale bem seu tempo e dinheiro!
9 – Jogo excelente que vai deixar uma marca em você!
10 – Agulha no palheiro! Todo gamer precisa jogar essa gema maravilhosa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *