[Atualizado] Remaster de Killer7 pode estar a caminho do Nintendo Switch, de acordo com listagem no perfil da Engine Software no LinkedIn

[Atualizado] Remaster de Killer7 pode estar a caminho do Nintendo Switch, de acordo com listagem no perfil da Engine Software no LinkedIn

14/08/2020 1 Por NintendoBoy Editor-Chefe

Atualizado:

O vice-presidente de desenvolvimento da Engine Software, Ruud van de Moosdijk, disse que “o projeto não anunciado no qual estou trabalhando com um prolífico desenvolvedor japonês não é Killer7 para o Switch”. O vice-presidente ainda diz que o banner do LinkedIn “deveria ter sido alterado, pois no final só fizemos uma versão para PC do Killer7”.

Ou seja, atualmente não há planos para um port de Killer7 para as consoles modernos, então teremos que nos contentar com o jogo na Steam.

VIA


Um port do clássico cult Killer7 tem sido bastante requisitado por muitos donos de Nintendo Switch no passado. Em 2018, a NIS America assumiu os direitos de publicação e levou Killer7 para a Steam e, desde então, veio pedidos para que o jogo pudesse chegar aos consoles modernos.

O port de Killer7 para o PC foi feito pela Engine Software, que já trabalha com a NISA há algum tempo portando jogos da Nihon Falcom para o Nintendo Switch. Sabendo que NISA está bastante próxima da Nintendo, não nos surpreenderiamos se Killer7 eventualmente chegasse ao console híbrido da Nintendo – e o que de fato pode está acontecendo.

Um dos principais desenvolvedores da Engine Software atualizou sua página no LinkedIn listando “Killer7 Remaster” para o PC e Nintendo Switch, no qual é informado como produtor executivo. Há também uma nota em seu currículo mencionando que ele é um produtor “em um título não anunciado em colaboração com um prolífico designer de jogos japonês”.

No mesmo ano que Killer7 chegou no PC, Suda disse que um port para o Nintendo Switch dependeria das vendas na Steam. A NIS America atualmente está dando um suporte quase que 100% para o híbrido, então é possível que um anúncio surja nos próximos meses.

FONTE