Review | Hades

Review | Hades

20/03/2021 0 Por Gui Castro

Desenvolvedora: Supergiant Games
Publicadora: Supergiant Games
Data de lançamento: 17 de setembro de 2020
Preço: R$ 92,00
Formato: Digital e Físico

Então você odeia seus pais, e quer sair de casa mesmo que custe a sua vida? Típico de um adolescente, né? Pois bem, e se o seu pai é o líder do submundo? Isso significa que você já está morto, né? Mas você vai morrer muito a cada fuga desse submundo, também conhecido como casa. Esse é o review de Hades, o indie mais premiado de 2020.

Casos de Família no Submundo | História

Zagreu, filho de Hades, tenta escapar do reino de seu pai no Submundo. Ele é ajudado por sua mãe adotiva Nyx, que lhe dá um espelho especial que o capacita com várias habilidades através da escuridão coletada; os Deuses do Olimpo a quem ele estendeu a mão, lhe fornecem bençãos que lhe dão poderes especiais, e seu mentor Aquiles, que lhe fornece as Armas Infernais, armas que possuem aspectos poderosos e escondidos de seus antigos, presentes e futuros usuários. Hades dificulta o progresso de Zagreu desencadeando vários residentes do Submundo sobre ele, incluindo a Megaira fúria, ex-amante de Zagreus (e mais tarde em suas irmãs Alecto e Tisífone); uma Hidra Esqueletica Lerneana; o lendário Teseu ao lado de seu novo parceiro Asterius, o Touro de Minos, e finalmente, ele mesmo, Hades em pessoa.

É eventualmente revelado que Zagreu deseja escapar do Submundo para encontrar Perséfone, sua mãe biológica que ele nunca conheceu, tendo sempre sido dito que ele era o filho de Nyx. Hades se recusa a permitir que seu nome seja falado em sua Casa e diz que uma punição inimaginável deve acontecer a qualquer um que desobedecer a sua ordem. Nyx, por outro lado, decide ajudar Zagreu a encontrar a verdade sobre sua verdadeira mãe para si mesmo, colocando-o em contato com seus parentes no Olimpo.

Essa história é contada de forma fragmentada entre uma fuga e outra do submundo, conforme você conversa com os outros habitantes da casa de Hades. Ela é bem direta, sem grandes plot twists, mas se você gosta de Mitologia Grega, gosta de deboches entre Deuses, e personagens carismáticos e com um excelente character design, você vai adorar.

Um roguelike acessível para iniciantes | Jogabilidade

Hades é um jogo extremamente acessível. Mesmo se você já jogou um rogue-like antes, ou se você nunca jogou nenhum, o que é o meu caso, você vai se entender com o jogo. Mas antes de nos adentrarmos na jogabilidade desse game, quero explicar: o que é um rogue-like? Vou explicar usando o próprio Hades como exemplo.

Esse é um tipo de jogo que você progride passando por câmaras em ordem aleatória, até chegar em um objetivo. Os upgrades são separados em dois tipos: os permanentes, que no caso são os upgrades que a gente ganha usando o espelho dado por Nyx, os upgrades nas armas e as lembranças, que ganhamos ao presentear os olimpianos e os habitantes do submundo. Além dos permanentes, temos os upgrades temporários, que desaparecem ao fim de cada tentativa de fuga do submundo, que são as bençãos dos olimpianos que adicionam atributos as suas armas e te dão habilidades especiais e os upgrades feitos nas armas pelo martelo de Dédalos, que modificam algumas formas de usá-las.

Agora outro aspecto de um rogue-like é a morte. Não importa por quantas câmaras você passou, o quão longe você foi, se você morrer, você volta desde o começo. Desde a primeira câmara. E nisso você perde todos os upgrades que teve ao longo da tentativa de fuga. Prepare-se para morrer. MUITO. Constantemente. Mas isso não torna o jogo repetitivo, porque outra característica desse tipo de jogo é a aleatoriedade das câmaras. Cada vez que você tenta fugir do submundo, temos novas câmaras, novos inimigos, novas recompensas, bençãos completamente diferentes e até mesmo os sub-chefes mudam.

Uma coisa interessante, que eu achei legal e que vale mencionar na análise, é que tem um tipo de câmara que você tem que escolher entre a recompensa entre um Deus e outro… vou dar Afrodite e Ares como exemplo. Quando você escolhe um deles, o outro fica full pistola, joga um monte de deboche no que você escolheu e joga um monte de monstro em cima de você para te atacar.

Além desses aspectos de jogabilidade de um rogue-like, outras coisas do jogo que empolgam muito são a trilha sonora, que é uma mistura de música tradicional grega com riffs de heavy metal, que te deixam com o sangue fervendo para derrotar todos os inimigos. Os gráficos também gradam muito, com uma direção de arte agradável, uma animação bem fluída, cenários muito bem feitos e personagens com um character design maravilhoso, lembrando até mesmo os de dating simulators.

Como eu simplesmente viciei nesse jogo | Diversão

Como eu disse antes, Hades é um jogo bem acessível. Não é extremamente difícil, e pra quem acha fácil demais, temos opções de aumentar dificuldade, adicionando desafios assim que temos a primeira fuga bem-sucedida.  

No jogo tem uma variedade de armas, o que faz com que o jogo também não fique repetitivo. Essa variedade de armas faz com que tenhamos estilos pra todos os gostos, começando por uma espada, passando por combate corpo-a-corpo com punhos e chegando a ter uma metralhadora-canhão como arma.

Hades é um jogo extremamente divertido, com um tipo de combate muito satisfatório. Dá pra gastar umas boas horas tentando fugir do submundo como Zagreu. Tem uma dificuldade, mas não chega a ser algo frustrante, como por exemplo um Dark Souls na vida, nem algo extremamente fácil como um Pokémon Let’s Go, tendo uma dificuldade na medida certa. Da mesma forma que você pode sair matando tudo que vê pela frente, pode morrer em dois ou três golpes se não presta atenção.

E no fim, o que eu achei do jogo | Veredito

Hades é o melhor indie de 2020. Talvez um dos melhores jogos do Switch, contando indies e jogos mainstream. Com uma jogabilidade satisfatória, um bom nível de dificuldade, personagens carismáticos e músicas que deixam a gente no ponto para uma boa batalha, Hades não é um jogo caro, e bem acessível. Já questão de pontos negativos, o único ponto negativo que eu encontrei é… umas poucas quedas de frames quando ta com a tela MUITO CHEIA, como por exemplo, na luta contra a Hidra Esqueletica Lerniana, mas que não afeta em praticamente nada a experiência do jogo.

Prós:

  • Boa História
  • Character Design excelente
  • Jogabilidade acessível
  • Fator replay muito bom

Contras:

  • Um pouquinho de queda de frames em alguns momentos

10

Últimos posts por Gui Castro (exibir todos)