Review | Spelunky 2

Review | Spelunky 2

18/09/2021 0 Por Pablo Camargo

Desenvolvedora: Mossmouth
Publicadora: Mossmouth
Data de lançamento: 26 de Agosto, 2021
Preço: R$ 101,95
Formato: Digital 

Análise feita no Nintendo Switch com chave fornecida gentilmente pela Mossmouth.


Antes de começar a análise, fizemos recentemente a Review do primeiro Spelunky, se quiser fique a vontade para lê-la clicando aqui, assim podendo ver como é a experiência Spelunky por completo. Agora sem mais delongas, vamos às mortes.

8 Anos depois primeiro Spelunky, a Mossmouth finalmente lançou a sequência do tão popular rogue-like de plataforma. Com lançamento oficial em 2020, e sua chegada em agosto de 2021 para o Nintendo Switch, Spelunky 2 é uma boa representação de como se fazer uma boa sequência, expandindo o jogo em todas partes possíveis, até nas mais frustrantes.

Tal pai, Tal filha

Diferente do primeiro jogo, quando iniciamos Spelunky 2, vemos que o jogo possuí uma história um pouco mais presente que seu antecessor. Acompanhamos Anna Spelunky, filha do antigo protagonista, que ao crescer, na Lua observava o rosto de Olmec, vilão do passado. Seus pais logo se preocuparam, não havia como ela sequer reconhecer o rosto do inimigo, então depois de muitos anos de planejamento, construíram um foguete para investigar esse mistério lunar.

Surpreendentemente na Lua realmente havia mesmo o rosto de Olmec, uma estátua, e uma outra caverna que lhes chamava muita atenção, de forma sedutora até, mesmo sabendo que provavelmente seria uma armadilha como a antiga já conhecida, não resistiram e adentraram, enquanto o cachorro da família ia chamar Anna para resgatá-los nessa caverna lunar.

Familiar à primeira vista

Anna então vai em direção da Lua e encontra a fatídica caverna, onde terá que explorar, morrer e reviver bastante, devido a maldição de Olmec que também habita este lugar. Para o jogador, as coisas parecem bem familiares ao começar, nos deparamos com a entrada da caverna, com novamente enormes portas que nos levam para o interior, onde faremos nossas incontáveis e repetidas runs, só que ao invés das temáticas mais tribais de antes, temos designs que remetem muito a obras Lovecraftianas. Vale citar também que a entrada da caverna se tornou um lugar muito mais aconchegante agora, onde todos personagens jogáveis se reúnem para pequenas falas e companhia.

Já notamos de cara uma diferença bem grande: os gráficos. Spelunky 2 tem uma evolução visual muito boa, tudo é mais bem animado e flui ainda melhor que seu antecessor, com um estilo que lembra algo um pouco mais “chibi”, até antigos inimigos também passaram por redesigns para se encaixarem no novo estilo artístico, e os mapas parecem menos com blocos e adotam uma diferente palheta de cores, deixando o jogo um pouco menos cansativos e distrativos de se olhar.

Novos e velhos rostos

A gameplay também não muda muito comparada a anteriormente, temos os mesmos movimentos de antes (andar, correr, pular, jogar cordas e bombas e chicote para os inimigos), temos que andar pelas regiões, coletar tesouros, resgatar mascotes para ganhar mais vida e ir cada vez mais fundo . A mudança mesmo vem nos itens novos que podemos adquirir, como arcos, nas cavernas que nos colocam numa parte interior do mapa, nos “minigames” como jogar dados para tentar pegar algum item, e principalmente em seu level design, que apesar de familiar em alguns aspectos e temas, tem muitas diferenças, a ponto de ser ainda mais brutal que antes.

Também foi expandida a quantidade de NPCs que encontramos no caminho que antes quase se limitava só ao mercador, que retorna para nos vender ainda mais itens úteis, também temos criadores de perus, e apostadores na casa de dados, além da volta da Deusa Kali, todos aqui presentes para te ajudar na sua jornada com itens caso cumpra certas condições, ou para acabarem com você caso provoque-os.

Inclusive, assim como no primeiro jogo, o Multiplayer é um aspecto muito forte aqui também, para trazer horas de risadas com amigos com as situações imprevisíveis do jogo na campanha cooperativa, e dessa vez até mesmo com um modo Online, adição excelente ainda mais na situação atual do mundo.

Ainda mais brutal que antes

Assim como no primeiro título, temos que atravessar 4 áreas com 4 níveis cada, com um chefe no final, e em adição, um no meio também, porém em alguns momentos podemos divergir no caminho, como na segunda área, que podemos escolher entre uma floresta ou uma caverna com poços de lava para explorar.

Todas as áreas são belas e com músicas prazerosas, porém dessa vez são ainda mais traiçoeiras que antes, tanto as áreas novas quanto as inspiradas em anteriores. Dessa vez o jogo te proporciona muito mais obstáculos que podem resultar no famoso insta-kill, alguns realmente muito frustrantes como armadilhas de caça que se camuflam no cenário, e dessa vez com quedas que podem te dar dano sem corda no caminho principal, o forçando a usar o recurso, diferente do primeiro jogo que sempre tinha uma rota que não precisava usar nenhum.

No total temos mais de 7 áreas no jogo, algumas sendo opcionais e outras com regiões secretas para manter a diversão. E de novo cada uma com sua temática, seus inimigos e dezenas de maneiras de acabar com você em instantes, preparem-se para lava caindo por cima, caranguejos com socos poderosos, muitos espinhos e quedas enormes no caminho. Spelunky 2 surpreendentemente consegue mesmo elevar a dificuldade de Spelunky 1, mas em troca se torna muito mais frustrante que o anterior, pois, mais do que antes, as mortes vêm repentinamente, um erro que acaba com você na hora, diferente do antecessor, onde o erro desencadeava uma sequência de desastres que tornava a morte mais compreensiva, ao invés de uma surpresa.

Mas é claro que com o tempo o jogador vai aprendendo a decifrar essas armadilhas e inimigos novos, e começar a chegar cada vez mais longe, se aproximando da saída, afinal, ainda é Spelunky, um jogo que é preciso ter muita paciência e calma, pois quanto mais afobado o jogador, mais mortes esfregadas na cara ele terá.

E também como anteriormente, não basta terminar uma run para ver tudo que o jogo tem a oferecer, com rotas alternativas e áreas secretas, além de contar de novo com a coleta de itens no caminho para ver mais áreas no fim, Spelunky 2 se torna um jogo ainda maior em conteúdo que o primeiro, e que vai render muitas horas, muitas runs e muitas mortes até o jogador conseguir ver tudo que se há a oferecer.

A jornada do jogador casual que usa de atalhos para ver o final do jogo também foi bastante dificultada em Spelunky 2, ainda temos uma mineradora entre áreas, que vai criar atalhos para você ao entregar certos itens, mas agora os pedidos dela são mais difíceis, não apenas um pouco de dinheiro ou bombas, mas também ajudantes e montarias, que você terá que levar por diversas áreas para conseguir entrega-los e finalmente abrir um novo atalho para ver o final do jogo pela primeira vez.

Conclusão

Em suma, Spelunky 2 expande em tudo que o primeiro fez, tem mais conteúdo, visíveis melhoras, mais mecânicas, e o principal, nas frustrações, com ainda mais mortes repentinas e instantâneas o que pode incomodar mais o jogador que antes, e até tornar a experiência um pouco mais repetitiva com obstáculos que parecem se repetir bastante em alguns níveis. Mas ainda continua sendo um excelente rogue-like, e uma ótima sequência de tudo que o original representou.

Prós:

  • Continua muito viciante
  • Apresentação visual e sonora excelentes
  • Boa quantidade de conteúdo
  • Multiplayer Online

Contras:

  • Mais frustrante que antes
  • Sensação de repetitividade pode aparecer

Nota Final:

8,5