[Review] Sonic Forces

Desenvolvedora:  Sonic Team
Publicadora:  SEGA
Gênero:  Action
Data de lançamento: 07 de Novembro de 2017
Preço na eShop (US):  $29.99
Formato: Digital / Versão física

Sonic Forces é um jogo de plataforma que tenta reproduzir o sucesso de Sonic Generations com a volta do Sonic clássico e a adição de um sistema de criação de personagens que realizou o sonho de muitos fans que adoravam criar personagens originais, aparentemente seria o jogo que agradaria todos os fãs.

Historia

Depois de inúmeras tentativas o cientista Ivo Robotnik, mas conhecido como Eggman, finalmente conseguiu derrotar o herói e expandir o seu império fazendo os heróis se esconderem e formarem uma resistência. Historia muito parecida com a do desenho animado que costumava passar no TV há muitos anos atrás, conhecido como Sonic SatAM (Saturday AM).

Expectativa VS Realidade

Quando anunciado, o jogo nos apresentou muitas possibilidades como a volta  dos antigos antagonistas e um novo personagem que aparentava ser extremamente poderoso e o principal inimigo na historia. Apesar do Infiniti realmente ser o inimigo principal, ele simplesmente é uma enganação, no primeiro momento ele aparenta ser poderoso mas depois ele vira um fracote que nunca evolui, ao contrário do Chaos, que sempre mudava de forma e ficava mais forte em Sonic Adventure. O Infiniti é o mesmo do começo ao fim.

“Turminha da amizade” mal aproveitada

No decorrer dos jogos fomos apresentados a diversos personagens com os mais diferentes poderes e habilidades que faz com que cada um seja único dentro dos jogos. Por incrível que parece essa “galerinha do barulho” super carismática parece cada vez mais ser esquecida pela SEGA, o mais engraçado é que Tails e Knuckles estão como destaque no material de divulgação, mas assim como o resto da resistência, a única utilidade que conseguiram pensar pra eles é ficar no telefone. Chega a ser vergonhoso ver um personagem como o Tails que já lutou diretamente com o Eggman ser reduzido a um medroso que não consegue fazer nada.

Por mais que existam personagens de sobra com diversas habilidades que proporcionaram jogabilidades diferenciadas, eles preferiram incluir, ou melhor, forçar a presença do Sonic clássico pra tentar atrair os fãs da era clássica mesmo que eles já estivessem bem servidos com o Sonic Mais, que foi apresentado na mesma época de Sonic Forces. A nostalgia forçada não funciona nada bem em Sonic Forces, não bastando o Sonic clássico, eles também incluem Green Hill e uma Deathegg nos moldes da apresentada em Sonic 3 & Knuckles. O melhor para todos seria deixar o Sonic clássico em sua era sem tentar forçar aos jogos 3D do Sonic.

Jogabilidade

Vamos começar pelo ponto forte do jogo, que acaba sendo o personagem criado. A criação é interessante e cada raça possui uma habilidade, estas habilidades não criam uma diferença muito grande na jogabilidade de cada raça, esse papel fica para a sua arma, ela é a única coisa que interfere na jogabilidade e por causa dela as fases do avatar acabam tendo rotas exclusivas pra cada arma.

Tanto o Sonic clássico quanto o moderno possuem um problema em comum, eles não aumentam a velocidade de forma gradativa.  Isso acaba sendo um problema grave por dois motivos: o primeiro é que o jogador acaba sendo pego de surpresa porque está indo do 1 ao 10 em estantes, mas demora pra acontecer. Então dependendo da situação vai ser muito frustrante. O segundo motivo é que cada marcha tem sua “regra” de movimento.

No Sonic moderno, a movimentação para as laterais muda drasticamente. Na primeira marcha a movimentação é leve e da pra ir na direção que quiser. Já na segunda a movimentação para laterais é pesada e praticamente inexistente, o ideal nesses casos é usar side step, o problema é que ele só movimenta uma certa distancia toda vez que apertado, então não é possível ter 100% de controle nesses momentos.

Já o Sonic clássico tem uma jogabilidade muito pesada, o controle dos pulos não são tão bons quanto o do Sonic Generations, e quando ele está na segunda marcha é impossível controlar a distancia. Parece que uma pedra foi jogada e nesse momento você tem que torcer pra acertar o local programado.

Fases, dificuldade, sistema de ranks e Chefes

O jogo possui 30 fases, um ótimo número. O problema aqui é a duração dessas fases, em sua maioria elas são concluídas facilmente em menos de 3 minutos. Ou seja, o jogo é muito curto, é possível zerar em menos de quarto horas sem muitas dificuldades.

Sobre a dificuldade, o jogo possui duas dificuldades: a normal e a hard. Mesmo no hard o jogo acaba sendo incrivelmente fácil, como o jogo não tem sistema de vidas e possuiu muitos anéis, morrer acaba sendo difícil e quando acontece não tem a menor importância.

Os locais das fases se repetem muito e como são curtas sempre parecem que o jogador está jogando elas em partes e parando no meio, e o level design das fases são péssimos, elas não tem momentos marcantes e muitas acabam sem mais nem menos. Seria melhor ter poucas fases bem feitas e marcantes que muitas fases picotadas e muitas vezes sem imaginação.

O sistema de rank geralmente é algo feito para desafiar o jogador a se sair o melhor possível, mas nesse caso são só letras sem importância por causa de uma coisinha chamada Daily Bonus. Todo dia um bônus diferente aparece depois de uma missão sem concluída, eles dão um multiplicador na pontuação indo de X 1.2 até X 3.0 por 30 minutos. Em um dos casos eu fui muito mal em uma fase e consegui rank B, mas como eu estava com um bônus de 3.0, meu rank foi pra S.  Ou seja, você não precisa de habilidade para conseguir o rank S, só precisa do bônus certo.

Os Chefes são repetitivos e poucos. Duas das três lutas contra o Inifity e a luta contra o Metal Sonic são idênticas e a mecânica usada pra derrotar o Eggdragon com o Sonic clássico é repetida no chefe final.

Gráficos e art do jogo

O jogo é bem bonito, mas diferente dos outros jogos da série, ele acaba sendo sem imaginação, existem poucas áreas que se repetem e elas não são tão cativantes e parecem que são so ctrl+c ctrl+v de outros jogos. Colocar a Green Hill e o verme de areia de Sonic Lost Worlds é algo muito aleatório assim como a floresta cassino. O verme de areia não combina em nada com o estilo gráfico do jogo e os poucos inimigos encontrados no jogo são versões sem graça dos inimigos antigos.

Fator replay

Felizmente o jogo possui os Red Rings espalhados pelas fases que podem ajudar muito depois que são coletados. Em uma fase são liberados os Number Rings que devem ser coletados na ordem certa. Também existem as roupas e armas do avatar que devem ser coletadas fazendo as missões e upando eles, então ainda é possível ter um bom divertimento mesmo depois de concluir o jogo.

Para os mais competitivos existe o rank online onde dar pra comparar a pontuação com os amigos e com os outros jogadores ao redor do mundo.

Conclusão

Sonic Forces pode ter algumas partes divertidas mas em sua maioria é chato. Dar a impressão que a equipe responsável não estava com a mínima vontade de fazer o jogo, a jogabilidade é simples mas com defeitos em coisas cruciais. O Sonic clássico está no jogo de forma forçada só pra tentar chamar os fãs da era clássica, ele acaba sento irrelevante dentro do jogo, e não faria a menor falta, o melhor é deixar o Sonic classico nos jogos 2D como Sonic Mania.

Avaliação:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *