Nihon Falcom explica porque não está mais fazendo jogos para o Nintendo Switch

A desenvedora japonesa Nihon Falcom esteve presente nas plataformas da Nintendo no passado. Porém, poucos títulos da empresa foram lançados, e vimos que o foco da empresa sempre foi nas plataformas PlayStayion. Sendo assim, a empresa não tem muita experiência com os hardware da Nintendo. Se não fosse pela Nippon Ichi Software nem veríamos Ys VIII: Lacrimosa of DANA chegar no Nintendo Switch.

Em uma entrevista recente com o USGamer, o presidente da Nihon Falcom, Toshihiro Kondo, comentou sobre o que seria necessário para um maior suporte do Nintendo Switch. Kondo explicou que eles “não têm o know-how” para desenvolver para a plataforma e tem que servir sua base de fãs no PlayStation acima de tudo. No entanto, a Nihon Falcom estaria muito interessada em uma empresa externa portando seus títulos para o Nintendo Switch, como foi o caso de Ys VIII: Lacrimosa of DANA.

O Switch é uma plataforma incrível que gostamos, mas a verdade é que não temos o conhecimento para realmente desenvolver jogos para ele. Além disso, estamos bastante convencidos de que nossa base de usuários principal está realmente localizada no PlayStation. Dito isto, você sabe, graças ao trabalho com a Nippon Ichi Software no Japão e depois com a NIS America aqui, fomos capazes de trazer um dos nossos jogos para o Switch e, obviamente, queremos aumentar as marcas tanto quanto podemos e colocar para fora o tanto quanto pudermos. Então, no futuro, se tivermos a oportunidade de ter nossos jogos portados por outras empresas para o Nintendo Switch, é algo que definitivamente ficaríamos felizes em seguir.

E como jogador, como um aparte, eu pessoalmente amo o Switch. No Japão, quando essa questão surge, sempre acontece uma coisa estranha: “Falcom não quer trabalhar com o Switch” ou “Falcom não gosta do Switch” ou algo assim. E isso não é verdade… A verdade pura e simples disso tudo é que simplesmente não temos o conhecimento e a capacidade de poder trabalhar em jogos do Switch agora.

FONTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *