[Review] Whipseey and the Lost Atlas

Desenvolvedor: Daniel A. Ramirez 
Publicadora:  Blowfish Studios
Gênero: Plataforma
Data de lançamento: 27 de agosto2019
Preço na eShop: US $5,99
Formato: Digital

Whipseey and the Lost Atlas é um jogo de plataforma 2D estilo retrô desenvolvido por Daniel A. Ramirez e publicado pela Blowfish Studios. O jogo em si apela para um visual estilo os jogos antigos de Kirby. Eu poderia até dizer que o jogo tem toda a essência de Kirby – pois é a primeira impressão que se tem ao bater o olho – mas na verdade não é bem assim.

No jogo você é Alex, um jovem curioso que acaba por se envolver em um problema onde o mesmo vai para a misteriosa Whipseeyland. Ao chegar em Whipseeyland, Alex se transforma em Whipseey, uma criatura mágica cuja agora precisa resolver o caso do Atlas Perdido se quiser voltar a sua forma original. “Salte e chicoteie tudo em seu caminho através desta aventura épica para ajudar Whipseey a resolver o mistério do Atlas Perdido neste jogo de plataformas de ação inspirado em retrô.”

Whipseey_Reveal_Screengrab_16.jpg

Jogabilidade

Em sua forma de Whipseey, Alex pode usar um chicote para atacar seus inimigos, agarrar certas partes do cenário, e rodopiar o chicote para flutuar no ar. Isso é bem diferente do costumamos ver em Kirby onde ele basicamente engole seus inimigos e flutua no ar inchando seu corpo (isso fora sua poder de pegar habilidade do inimigo que engole). Whipseey também pode pular em cima dos inimigos para derrotá-los como forma de não depender apenas do chicote. A mecânica do jogo é incrivelmente simples, você usa apenas um botão de comando e os direcionais para mover Whipseey pelo cenário.

Se o jogo quer se parecer com Kirby em essência, vamos fazer um pequena comparação? Bem, nos jogos de Kirby é notório como tudo foi feito para parecer fácil. E não é para menos, Sakurai já disse uma vez que a franquia é usada como uma porta de entrada para os jovens gamers – Kirby não é exageradamente fácil, ele tem muitos desafios sim, mas você consegue se divertir apenas aproveitando as mecânicas que o jogo tem a oferecer para resolver puzzles pelo caminho, entre outras coisas. Já em Whipseey, ele te joga direto na gameplay, não há um tutorial (nem precisa na verdade) e nem há desafios o suficiente para que você possa explorar ainda mais o que o personagem pode fazer com seu chicote – o que achei uma oportunidade jogada fora.

Whipseey_Reveal_Screengrab_03.jpg

A dificuldade de Whipseey and the Lost Atlas é levemente elevada, mas não por ser algo proposital, mas sim pelo level design mal planejado. O tempo todo me encontrei em dificuldades ao tentar pular para a superfície após cair em um rio. Não é pelo peixe inimigo, nem pelos espinhos e nem pelo limite que se ultrapassar você perde uma vida, mas sim pelo pulo extremamente baixo de Whipseey que me fez passar por estresse mesmo quando tentei planar. Não só isso, mas há partes que você joga submerso onde em todos os cantos tem espinhos – só que nesta parte em vez de você perder uma pequena quantidade da vida como acontece ao encostar no inimigo, você simplesmente morre. O que estou tentando dizer é sobre a caixa de colisão, mesmo que você fique perto de um misero pixel onde está os espinhos, o jogo entende que você encostou neles e la se vai uma vida inteira – isso me lembra jogos como Mega Man do NES.

O que me deixou espantada é o quão pequeno o jogo é. Mesmo que você tenha pago por uma pequena bagatela pelo jogo, é decepcionante quando descobre que com cerca de 1 hora você conclui ele. Você tem um total de 5 fases para passar, o que por si só já em muito pouco para um jogo de plataforma. Há jogos na eShop pelo mesmo valor de Whipseey com muito mais conteúdo e de mesmo gênero para você passar seu tempo.

Conclusão

Whipseey and the Lost Atlas é uma oportunidade jogada fora, apesar de alguns erros eu particularmente gostei do jogo. Se você pegar o jeito pode zerar o jogo num piscar de olhos, porém acho que serviria mais como uma tech demo do que ser vendido como um jogo completo. Eu queria mencionar aqui também que o jogo foi feito por uma única pessoa: Daniel A. Ramirez. Daniel desenvolveu e fez o design dos personagens sozinho, ele conseguiu passar carisma e identidade mesmo para um clone de Kirby. Então acho que isso justifica o jogo parecer bem amador.

O estilo retrô e sua semelhança à Kirby caiu muito bem, mas acho que falta um pouco mais de experiência para fazer um bom jogo de plataforma. O jogo receberá uma atualização no futuro que irá adicionar suporte a inúmeras línguas, inclusive o português, porém prefiro que gaste o tempo e dinheiro fazendo uma ou mais DLCs,bem como melhorias no seu level design. Whipseey and the Lost Atlas pode ser comprado na eShop por 6 dólares, mas eu recomendo mesmo se estiver numa boa promoção.

Avaliação: 5/10

 

*Cópia para análise disponibilizada gentilmente pela Blowfish Studios.

Significado das notas de 1 a 10

1 – Melhor vomitar do que jogar isso
3 – Vai fazer outra coisa.
5 – Só jogue se você for MUITO fã mesmo…
6 – Jogo legal pra se divertir e se distrair.
8 – jogo bom, vale bem seu tempo e dinheiro!
9 – Jogo excelente que vai deixar uma marca em você!
10 – Agulha no palheiro! Todo gamer precisa jogar essa gema maravilhosa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *