Review | Super Meat Boy Forever

Review | Super Meat Boy Forever

30/12/2020 0 Por Paulo Cézar

Desenvolvedora: Team Meat
Publicadora: Team Meat
Data de lançamento: 23 de Dezembro, 2020
Preço: R$100,47 (Disponível na eShop Brasil)
Formato: Digital

Desenvolvido pela Team Meat, Super Meat Boy é um jogo de plataforma e ação originalmente lançado em 2010 onde em sua época se tornou rapidamente um dos jogos mais populares da cena independente. Após alguns anos de sucesso e referência no cenario indie, em 2014 a Team Meat deu prosseguimento anunciando o próximo episódio para Super Meat Boy.

Inicialmente planejado como um jogo para smartphones, Super Meat Boy Forever teve um desenvolvimento extremamente conturbado, e em 2017 os desenvolvedores decidiram transformá-lo no que seria apenas uma sequência completa do primeiro jogo. Depois de alguns anos desde seu anúncio para os consoles, incluindo o Nintendo Switch, o jogo finalmente teve seu lançamento em dezembro de 2020.

Será que após mais de uma década, a fórmula punitiva de Super Meat Boy continua agradando? É isso o que veremos nesta análise!

O já clássico auto-runner está de volta!

Em cerca de 6 anos de desenvolvimento, Super Meat Boy Forever segue como uma evolução natural de seu antecessor mas com um algumas diferenças e adições que fazem jus à uma continuação. Aqui temos controles mais simplificados, um novo estilo de arte e a já antiga e figurinha carimbada dos jogos indies, a geração procedural de níveis. Super Meat Boy Forever provavelmente é tudo que os veteranos da série mais queriam: o mesmo auto-runner 2D mas com diversas novidades em level design e mecânicas.

Como citei no parágrafo acima, Super Meat Boy Forever é controlado de maneira bem simples: aqui temos dois botões ações, que possuem a função de bater/pular e deslizar/mergulhar, respectivamente. Apesar de simples, eles controlam muito bem. Já com relação ao level design, as mecânicas diversas que o jogo oferece, tal como as boss battles são divertidas e desafiantes. No entanto, a geração procedural de níveis gera alguns problemas no balanceamento da dificuldade, o que faz algumas fases terem partes muito mais difícies que outras partes da mesma.

O jogo também apresenta alguns segredos em cada uma de suas fases, que liberam alguns extras no jogo. Muitos destes são referências a outros jogos, assim como as cutscenes do jogo. Como a geração de fases é procedural você não poderá contar com um guia para achar os mesmos, então terá bastante trabalho para liberar tudo.

*Nível secreto com referência d Punch-Out

*Cutscene com referência a Super Metroid
 

O estilo de arte de Super Meat Boy fica claro nas cutscenes que você libera ao começar cada mundo. O jogo abraça um estilo mais “cartunizado” que lembram desenhos animados dos anos 90 – esse estilo é usado durante todo jogo, mas cada mundo possui um estilo tema único, o que trás mais diversidade para esse departamento do jogo. Além disso, todos os menus também são estilizados, o que enriquece ainda mais a parte visual do jogo. Infelizmente não posso rasgar elogios para a música do jogo, já que ela não se destaca tanto quanto a arte do mesmo, mas cumpre o papel de maneira aceitável.

Super Meat Boy Forever possui uma história, que embora seja básica, seria crucial para a experiência do jogador se eu aborda-lá totalmente aqui. Mas em resumo, a história começa com o vilão do jogo, o Dr. Fetus, sequestrando Nugget, o bebê do Meat Boy e da Bandage Girl. No geral, a histórias é básica e apenas para dar algum sentido para a gameplay do jogo, porém as cutscenes que contam a mesma são muito bem animadas.

Conclusão

Super Meat Boy Forever é uma boa sequência ao seu antecessor com uma quantidade de conteúdo razoável, mas que apesar disso possui uma jogabilidade fluída com uma variedade de mecânicas interessantes. As animações da histórias são muito bem animadas e recheadas de referências como Punch-Out, Super Metroid, e até mesmo Super Mario RPG.

Além disso o jogo possui uma quantidade considerável de personagens desbloqueáveis e conquistas, o que pode deixar os fãs de completar jogos empolgados se estiverem jogando ele no Nintendo Switch. No entanto caso você só tenha interesse em terminar a campanha base do jogo você pode acabar se decepcionando, já que a mesma tem em média 4 horas de duração, o que pelo valor de 100 reais acaba não compensando tanto. Por fim, caso você tenha interesse em terminar os 6 mundos da campanha e os 6 mundos do Dark Wolrd esse pode até ser um valor aceitável.

Prós:
•Jogabilidade fluída.
• Estilo de arte agradável.
• Conteúdo extra.
• Referências a outros jogos.

Contras:
• Má relação custo x horas de jogo.
• Problemas com a geração procedural.

7,5