Review | Monster Hunter Rise

Review | Monster Hunter Rise

05/04/2021 0 Por Erick Figueiredo

Desenvolvedora: Capcom
Publicadora: Capcom
Data de lançamento: 26 de Março 2021
Preço: R$ 249,90
Formato: Digital e físico

Análise feita com chave fornecida gentilmente pela Capcom.

Não sou um grande fã da franquia Monster Hunter, experimentei alguns títulos da série e considerei que estes jogos não são para mim. Os considero bastante lentos e com algumas decisões de designs que não consigo me acostumar.

Entretanto, Monster Hunter Rise é um jogo incrível, mesmo que eu não seja um grande fã da franquia consigo reconhecer que este realmente é um dos melhores títulos do Switch. E Rise também tem ajudado bastante a mudar minha opinião sobre como me sinto em relação a série.

Nos próximos parágrafos, pretendo explicar como Monster Hunter Rise acabou me fazendo dar uma nova chance à série. Então, preparem seus equipamentos de caça, compre poções suficientes, e vamos partir em busca de desafios.

Um jogo simples e bem fantástico

Monster Hunter Rise é um jogo que começa de uma maneira bem direta e simples. A primeira coisa a se fazer é criar seu caçador, e depois seus bichinhos animais que irão lhe acompanhar durante as caçadas.

A criação de personagens é um dos pontos fortes do jogo, oferecendo diversas opções para o jogador modificar a seu gosto. É possível alterar a cor da pele, cabelo, olhos, modificar certas partes específicas do rosto e mudar a cor da sua roupa de baixo.

A customização do cachorro e gato que te acompanham – conhecidos como Palamute e Pallico respectivamente – também são boas. Apesar de serem bastante limitada se comparada ao do caçador, é possível alterar o visual deles para se adequar ao que o jogador procura, e é possível até mesmo recriar alguns outros animais famosos da cultura pop.

Após completar a customização, somos introduzidos diretamente ao vilarejo de Kamura, e somos introduzidos à nossa missão. Como o mais novo caçador do local, devemos caçar monstros e proteger a vila de ataques e invasões. E como se isso não bastasse, o local também está sofrendo com a volta de um evento conhecido como “Rampage”, que faz os monstros ficarem ainda mais agressivos.

Com essa rápida introdução terminada o jogo te libera no mundo, com a vila se abrindo completamente e todos os seus locais podendo ser visitados. Esta é uma das coisas mais legais de Monster Hunter Rise, a liberdade total que o jogo te oferece logo de início. Você pode interagir com quem você quiser, escolher se quer comer um bolinho antes de partir para as missões, ou até mesmo ir recrutar outros bichanos para te ajudar em tarefas.

Monster Hunter Rise não é um jogo que vai segurar sua mão, gastando os minutos iniciais de sua jornada no jogo com tutoriais longos. O jogo te oferece uma explicação rápida das mecânicas e de cada lugar presente no vilarejo de Kamura e só. O título preza por conceder liberdade ao jogador, e isso é algo que ele oferece desde o seu começo.

A história em si do jogo é bem simples e tem apenas uma única função, introduzir o jogador a monstros ainda mais perigosos. Diferente do jogo mais recente da franquia, Monster Hunter World, que teve um foco um pouco maior em sua história, Rise retorna para o estilo clássico da série.

Essa é uma boa frase para resumir o que Rise é para os fãs mais veteranos da franquia. Se World foi muito casualizado e tinha muitas coisas que aqueles que acompanharam a série odiaram, Rise é um retorno a experiência Monster Hunter que muitos adoram.

É hora de caçar

Exploração do vilarejo é apenas uma parte pequena da experiência Monster Hunter. O principal objetivo do título é caçar monstros. Entretanto, antes de poder sair para os diversos campos de exploração em busca da sua próxima vítima, é preciso primeiro se preparar para a missão.

Em Monster Hunter Rise, jogadores têm duas formas de prosseguir dentro do jogo. As missões aqui são separadas em missões que são feitas para o vilarejo, ou o Hub como é conhecido – e as chamadas caças onlines.

As missões do Hub servem para avançar a história, elas são bem mais simples e os monstros estão bem mais fracos. Já as missões onlines, é onde está a experiência principal do jogo, participando de caçadas junto com amigos ou desconhecidos. Os monstros estão com sua força máxima, e os desafios são bem maiores. Apesar disso, é possível encará-las sozinhas caso o jogador deseje um desafio extra.

Mas antes mesmo de partir para as missões, a primeira coisa a ser feita em Monster Hunter Rise, é escolher qual arma você utilizará. O jogo oferece 14 tipos de armas diferentes para escolher, cada uma sendo única e tendo suas vantagens e desvantagens. Elas são: Greatsword, Long Sword, Sword & Shield, Dual Blades, Lance, Gunlance, Hammer, Hunting Horn, Switch Axe, Charge Blade, Insect Glaive, Light Bowgun, Heavy Blowgun e Bow.

Cada uma dessas armas pode ser utilizada pelo jogador, todas elas tem suas próprias características, atributos e principalmente suas vantagens e desvantagens. Não existe um tipo de arma que seja a melhor de todas, já que cada uma delas é útil dependendo de qual situação você se encontrar.

Cada arma possui duas formas de ataques normais com os botões do Joy-con. Os gatilhos oferecem um ataque ou habilidade especial que é única daquela arma. O jogo oferece dicas de possíveis combos que os jogadores são incentivados a dominar para ter uma boa experiência na caça. E é preciso dizer aqui, não existe um sistema de lock on em Monster Hunter Rise – apesar de ainda poder dar um mirada rápida nos monstros – então um jogador mal acostumado pode acabar errando muito de seus ataques.

Com a arma escolhida, o próximo passo é definir sua armadura. Além de servir como proteção, as armaduras do jogo oferecem habilidades especiais que ajudam bastante quando o jogador estiver no campo. Cada set de armadura vem em cinco partes – cabeça, peitoral, braços, cintura e pernas – é possível misturar os pedaços ou então equipar um conjunto inteiro.

Apesar de inicialmente começar com um set básico, conforme você vai caçando novos monstros novos sets aparecem no ferreiro, para o jogador assim poder criá-los. O ferreiro em si é uma das mais úteis lojas do vilarejo, é nele onde é possível melhorar armas e armaduras, além de criar novos itens que podem ajudar durante as caçadas.

Por fim, também temos uma loja de itens que vendem objetos básicos para ajudar durante as caçadas, como poções. É possível carregar apenas um número específico de itens de auxílio, e é sempre bom passar no local para se reestocar após uma missão difícil.

Com tudo pronto, ainda é possível visitar o restaurante para comer bolinhos Dango que oferecem diversos bônus extras dependendo da escolha de ingredientes. Além desta utilidade, a animação que acontece toda vez que vamos comer é bem divertida e até fofa.

Caçando uns monstros

As missões são oferecidas por duas irmãs gêmeas que servem como as responsáveis pelas quests no jogo. Escolhida a missão, o jogador é enviado para um dos campos onde é preciso completar o objetivo em 50 minutos.

Os campos de exploração são bastante variados com florestas, desertos, pântanos e montanhas geladas, sendo alguns dos temas representados. Todos são totalmente abertos e enormes, sem telas de loading para separá-los como era o caso em jogos passados. Junto com a existência de vida selvagem e outros objetos, serve para ajudar o jogo a passar a sensação de que aqueles são locais vivos.

E explorar os locais é bastante simples, principalmente com as adições feitas em Rise. É possível utilizar seu cachorro como uma montaria e ganhar aquele boost extra para correr atrás de monstros ou só chegar ao seu objetivo mais rapidamente. O próprio caçador também pode dar uma corridinha enquanto sua estamina durar. Mas uma incrível novidade do novo jogo e que vai ajudar bastante a explorar os locais de forma totalmente diferente do que era possível, é o Wirebug.

O Wirebug é um item novo adicionado ao arsenal do jogador, com ele é possível explorar locais antes inacessíveis. É possível atirá-lo para o alto, utilizando-o como uma forma de dar impulso ao personagem, podendo assim chegar a locais altos e ao utilizá-lo perto de uma parede, até mesmo correr no melhor estilo ninja.

O inseto também ajuda a se salvar de uma queda muito grande, e a se movimentar no chão um pouco mais rápido se for preciso. Entretanto, sua maior adição é ser utilizado durante combates, com a nova mecânica de montar nos inimigos sendo focada na utilização do bicho.

Durante a exploração dos cenários é possível reunir itens ao achar certos locais. Entretanto, é claro que o jogador encontrará monstros bastante perigosos, e eles serão os principais objetivos na maior parte do tempo.

Encarar as criaturas gigantes de Monster Hunter Rise é um desafio que vai deixar os jogadores de cabelos em pé. As criaturas são bastante chatas de se enfrentar, com algumas tendo armaduras que protegem seu corpo das armas dos caçadores. Outros têm movimentos bastantes complicados de escapar. Por isso, os jogadores devem preparar bem seus equipamentos para não acabar sendo desmaiados pelas criaturas.

Durante os combates, jogadores devem ficar de olho em seu HP, stamina e principalmente com a qualidade de sua arma, que vai ficando pior a cada golpe dado. Como tal, Monster Hunter Rise é uma experiência bastante mais pensativa do que um jogo que prioriza a ação rápida. Entretanto, para se dar bem aqui, ainda é preciso ter bons reflexos e boas habilidades.

Os monstros também têm seus próprios ataques e ações que podem realizar dependendo da situação. Eles caçam outros monstros menores, fogem quando estão em perigo e até mesmo se escondem pelo cenário para evitar os caçadores mais atentos.

Dois monstros também podem se enfrentar, mostrando que o jogo é algo bem vivo. Junto com isso, jogadores podem aproveitar a situação e utilizar o wirebug para controlar uma das criaturas envolvidas no embate. A principal função do inseto durante combates é poder permitir que o jogador controle um monstro enfraquecido para causar dano enorme ao mesmo ou em outros que estiverem no caminho.

Por fim, além das missões de caças e busca de itens, o jogo adiciona um terceiro tipo de missão especial que será um desafio muito bom para veteranos. Rampage quests, que são basicamente um Tower Defense onde os jogadores devem proteger o portão principal do vilarejo do ataque de diversos monstros, utilizando diversas armas para ajudar a defender o local. 

Um jogo que sabe utilizar bem o Switch

Monster Hunter Rise é um jogo que utiliza muito bem as capacidades do Nintendo Switch. Sendo o primeiro game que a Capcom lança para o console utilizando sua engine pessoal, a RE Engine, a empresa de Mega Man mostra que o futuro de seus títulos no console é bom. Rise tem um dos gráficos mais lindos já vistos no Switch, e tudo roda a 30 quadros por segundo sem sofrer com lag.

Pelo tamanho dos mapas, e os detalhes neles apresentados, é de impressionar que a Capcom conseguiu fazer tudo isso funcionar tranquilamente no console. E ajudando os gráficos está o incrível trabalho de design do game. Sendo totalmente inspirado pelo Japão feudal e sua estética, o jogo traz uma mistura muito boa de elementos tradicionais da franquia, junto com essa nova arte.

O jogo também se adapta perfeitamente do modo docked para o portátil. Com a UI sofrendo poucas mudanças, e a resolução sofrendo pouco com a transição. O game ainda funciona perfeitamente ao ser jogado fora do dock do Switch, apesar de isso ainda fazer com que o console solte muito ar quente.

Monster Hunter Rise é um jogo que requer bastante do Nintendo Switch e mesmo o poder extra do modo dock não é o bastante. Mesmo jogando na TV, o jogador ainda ouvirá bastante o chiado que serve para indicar que o videogame está fazendo o seu melhor para rodar o game sem problemas.

Além da apresentação, Monster Hunter Rise também tem uma incrível soundtrack, com melodias boas e que ajudam a dar aquele clima extra na experiência do título. Além das músicas gerais, cada monstro tem seu próprio tema de batalha, o que ajuda a aumentar a imersão e deixa as lutas ainda mais pessoais.

Os efeitos sonoros também são muito bons, o trabalho de mixagem do jogo é muito bom sem atrapalhar durante os combates ou então durante as cutscenes. Por fim, a dublagem continua mostrando o bom trabalho da Capcom. O jogo oferece opções de vozes em Japonês ou em Inglês, e ambas são muito boas. Além dessas duas línguas, o título possui outras linguagens como opções de legendas, incluindo o portugues do Brasil, cortesia da Capcom Brasil.

Um jogo muito bom para se jogar com os amigos

Apesar de Monster Hunter Rise ser um jogo que oferece opções de ser jogado sozinho ou com outras pessoas, a experiência é bem diferente dependendo de sua escolha. Jogando sozinho – que foi minha experiência principal em jogos passados – alguns empecilhos podem aparecer, como a alta dificuldade de matar alguns monstros, o que pode acabar criando uma sensação de que o jogo é chato.

Entretanto, saiba que este não é o caso do Multiplayer, que pode ser considerado a verdadeira experiência Monster Hunter. Seja jogando com amigos ou desconhecidos através da internet, é impressionante como Monster Hunter Rise se torna bem mais divertido do que o que você encontra enquanto caça monstros sozinhos.

O próprio jogo incentiva que o jogador jogue com outras pessoas online ou até com amigos, ao oferecer formas rápidas e simples de entrar em partidas. É possível criar lobbies específicos e caçar em grupo, ou entrar durante uma missão que já esteja em ação. Nos dois casos, o jogo oferece opções para interações com jogadores, com mensagens pré-gravadas que são traduzidas para as opções de legenda escolhida pelo jogador.

E o jogo é bastante focado nessa questão de socializar entre jogadores. Além das frases pré-gravadas, existem opções de fazer poses divertidas, ou tirar fotos sozinho ou em grupo. Ao final de cada missão, os jogadores também podem agradecer outros caçadores com um Like, que recompensa a todos com itens extras.

Entretanto, é preciso entender que a experiência multiplayer pode ser um pouco caótica. Durante as caçadas, os caçadores podem se acertar – mesmo que isso não tire dano um dos outros – atrapalhando combos uns dos outros, ou até um jogador mais desatento pode atrair a atenção de um monstro para o grupo principal.

Ainda assim, o modo online ajuda bastante o jogo a atrair o interesse dos donos do Switch. A Experiência multiplayer dele é uma das melhores do console, mesmo conectando a pessoas de longe, não sofri com quedas bruscas de conexão ou muito lag.

Uma ótima experiência

Monster Hunter Rise é sem sombra de dúvida um dos melhores jogos já lançados para o Nintendo Switch. Seus gráficos são alguns dos mais bonitos já apresentados no console, sua jogabilidade é sólida e o jogo apresenta um ótimo desafio para aqueles que querem um jogo difícil.

Obviamente, apesar do jogo atualizar a fórmula da franquia, algumas das tradições de Monster Hunter continuam aqui. É preciso entender que o título tem uma ação um pouco mais lenta do que outros jogos do mesmo gênero, e que algumas decisões de jogabilidade – como a falta de lockdown – é algo que é mantido para servir como um desafio extra aos jogadores.

Prós

  • Gráficos muitos bonitos
  • Ótima jogabilidade
  • Multiplayer bastante divertido
  • Boa dublagem

Contras

  • Dificuldade pode atrapalhar um pouco
  • Algumas mecânicas fazem falta aqui

9