Review | #DRIVE

Review | #DRIVE

15/02/2021 0 Por Thomas Mertens

Desenvolvedora: Pixel Perfect Dude, Lionsharp Studios
Publicadora: PM Studios
Data de lançamento: 16 de janeiro 2021
Preço: USD$ 12,99
Formato: Digital

Lançado originalmente nos smartphones, #DRIVE é um jogo de direção inspirado em filmes de ação dos anos 70 e 80 e traz o famoso estilo de endless runner com um tantinho de física aplicada, cenários interessantes e gráficos maravilhosos. O jogo agora está ganhando um port para o Nintendo Switch, versão esta que estarei analisando aqui.

#Just_Drive

Como nos jogos ao estilo endless runner, #DRIVE é, bom, sem fim… Cada fase progride enquanto você for capaz de não perder, seja batendo, ficando sem gasolina, ou danificando o carro tanto que um patinete seria mais eficiente.

Evidentemente não temos história nem personagens de fato, mas a personalidade do “protagonista” (ou seja, o carro) é bem divertida e arrojada. O objetivo é apenas dirigir, como diz a própria sinopse. Tentar bater seus recordes e visitar novos lugares com novos carros. Se realmente você gosta disso, o jogo inclui um “Modo Zen”, que você não se preocupa com nada além de você e o asfalto. No modo Normal, preocupa-se sempre em manter o tanque abastecido, guardar o suborno da polícia e aprenda em quais objetos você pode bater.

#Vai_Encarar?

Em #DRIVE, existem duas motivações principais para continuar jogando:
1ª – Descobrir os novos cenários, que são cidades ao redor do mundo, que realmente são maravilhosos. Um mais charmoso que o outro, com cada elemento básico estilizado para o tema. Podemos jogar até em marte, com um design super futurista, ou no deserto americano, desviando de nuvens de poeira (um carro vermelho no deserto te lembra alguma coisa?).

2ª – Colecionar Hot Wheels. Isso mesmo. Se você é um fã de miniaturas de carros, já tem um plus aqui pra você. A garagem é bem vasta, e você pode deixar o seu carro “maneiro” (sim, maneiro), adicionando aerofólio, lanternas etc, cada um ao seu modo. Claro que cada veículo se comporta diferente, tem tamanho diferente etc. Cada um acaba sendo bem único por isso.

Mas como é jogar #DRIVE?

Vou começar com um aspecto que eu sempre desprezo, mas dessa vez me impressionou. Trilha sonora. As músicas são bem gostosinhas de ouvir, confortáveis de ter ao fundo enquanto joga. Casaram muito bom com os gráficos (que de novo, são maravilhosos, com um estilo cartoon de contorno grosso que deixou tudo com aparência de bem feito. e uma bela paleta de cores: Simples, sem ser simplório).

Por outro lado, a jogabilidade não é tão agradável assim. É mais difícil que dirigir de verdade, e não te remete muito a jogos de corrida clássicos. Temos uma física bem similar a real, mas a diferença é que nosso “espaço de movimento” e de 1 cm no analógico, em vez dos mais de 3 metros reais. Então, essa diferença de escala deixa tudo absurdamente sensível, oq eu honestamente me tirou a sensação de de fato dirigir, o que pareceu ser o objetivo.

Avaliação

#DRIVE é um jogo divertido e casual, que agrada a vista e te distrai. Se você é um fã dos veículos dos anos 80-90, o jogo é pra você. Não é o meu caso, mas o que me fez ter vontade de jogar mais foram os cenários, e o estilo da arte. Então, fica aquele dilema de novo, que te faz reavaliar o preço do jogo (lembrando que dinheiro não se traduz, e eu estou considerando o mercado brasileiro). Não me entendam mal, é um bom jogo sim, eu me diverti jogando, mas ainda é um casual.

Prós:

  • É lindo de se ver;
  • Divertido o bastante para querer jogar quando tem aqueles 5 minutos entre 2 compromissos;
  • Coleção de carros e cenários é bem legal de fato.

Contras:

  • Física aplicada precisa de uns retoques;
  • Preço um pouco alto para o gênero.

Nota Final

7

Últimos posts por Thomas Mertens (exibir todos)