Review | Astral Chain

Review | Astral Chain

12/03/2021 0 Por Gui Castro

Desenvolvedora: PlatinumGames
Publicadora: Nintendo
Data de lançamento: 30 de agosto 2019
Preço: R$ 299,99
Formato: Digital e físico

Antes de começar essa review, eu quero me apresentar. Eu sou o Guilherme Castro e sou reviewer. Vou postar reviews uma vez por semana aqui no NintendoBoy, junto com a review em vídeo no meu canal no YouTube, o Triplo N. Minhas reviews não são necessáriamente de lançamentos, então pode aparecer uma review antiga aqui chegando até mesmo a retro games. Depois que me apresentei, agora sim, podemos ir à minha review.

Que a PlatinumGames é a rainha dos jogos de ação, todo mundo já sabe. Jogos como Nier: Automata e Metal Gear Rising deixam isso bem claro. Que ela é super amiga da Nintendo, também é algo que todo mundo já sabe: Bayonetta ta aí para a prova, The Wonderful 101 também. E quando elas se juntam pra criar uma franquia nova? Totalmente do zero? Com vocês: Astral Chain, a mais nova franquia da Nintendo.

Mechas híbridos num mundo cyberpunk

Os poucos sobreviventes de um massivo desastre global estão unidos em uma megacidade futurística. Sua missão é protegê-los das ameaças de invasores vindos de outro mundo. Mas você não está sozinho nessa! Como membro da força-tarefa da polícia especial, você estará munido de armamentos híbridos com inteligência própria, as chamadas Legions. Neste jogo de ação inédito da PlatinumGames, controle o protagonista e uma Legion simultaneamente para realizar combos fascinantes. Troque Legions a qualquer momento para variar o seu estilo de luta e liberar uma série de habilidades. Tudo que restou da humanidade está nas suas mãos e você terá que investigar um lado sombrio do mundo se quiser salvá-lo.  Explore uma metrópole cyberpunk de um futuro próximo, solucionando crimes e vendo como os últimos sobreviventes da humanidade lutam por sua existência. Enquanto salva o mundo de invasores extradimensionais conhecidos como chimeras, você irá interagir com cidadãos, questionar suspeitos e se unir aos membros da sua força-tarefa para solucionar casos.

Como vemos, a história é interessante, se passando num mundo cyberpunk, com diversas criaturas que podem estar tanto do seu lado como contra você. A princípio pode parecer meio genérica, mas prepare-se, porque ela tem um monte de reviravoltas, que eu não vou falar por aqui, pra não dar spoilers!

Um jogo de ação para iniciantes

Astral Chain é um jogo de ação para iniciantes. Isso é um fato. A dificuldade padrão, casual, prioriza a história ao invés de desafios. O próximo nível, Platinum Standard, aumenta a dificuldade do combate e diminui a quantidade de revival batteries (que são as “vidas” do jogo), porém tem MUITOS itens de cura, o que impede você de morrer tão facilmente, e o seguinte é o Platinum Ultimate, onde você não tem essas baterias e é o modo de dificuldade mais difícil do jogo. Além disso temos o modo Unchained, que permite que você automatize algumas opções de combate, como esquiva, mas só está disponível na dificuldade Casual.

Depois de situar você quanto as dificuldades do jogo, vamos ao jogo em si: ele trabalha com duas vertentes na gameplay: investigação e combate. Na investigação, você precisa conversar com as pessoas na localidade aonde o episódio se passa, para juntar pistas sobre o caso. Com isso você consegue algumas pontuações e avança na história.

Já a outra vertente é o combate: onde você controla o personagem principal, e o Legion, uma espécie de criatura interdimensional que é capturada e usada pela organização que você representa. Ao longo do jogo você consegue capturar outros quatro Legions além do que você usa por padrão, o Sword. Cada um com um estilo de jogo diferente e que podem ser alternados a vontade durante as lutas. Cada um também tem sua arvore de habilidades independente, que podem afetar não só a ele mesmo, como o personagem humano.

No combate, você controla ambos ao mesmo tempo. Pode parecer complexo numa primeira vista, mas no caso o que acontece: você controla e ataca com o seu personagem. Com o Legion, você pode fazer coisas como prender o inimigo com a sua corrente, para fazer ataques sincronizados, e quem controla os ataques do Legion é a AI do jogo, então acaba sendo mais uma questão de posicionamento.

Um dos grandes pontos altos de Astral Chain é a gameplay, como em todos os outros jogos da Platinum Games. Uma gameplay divertida, inovadora que faz sentido com a história que o jogo conta e o clima que ela coloca no jogo. Vale comentar que o jogo tem um modo coop onde o player 1 controla o personagem principal e o player 2 controla o Legion. Eu particularmente não gostei e não recomendo, mas como não é o propósito do jogo nem é obrigatório, não estraga a experiencia. Além disso, a trilha sonora e os gráficos influenciam e muito na gameplay: a trilha sonora é envolvente, como você já está escutando nesse vídeo, e te coloca com muito hype pro jogo. Os gráficos são impecáveis, talvez alguns dos mais bonitos do Switch. O jogo roda a 30fps, com raras quedas de framerate e tem resolução dinâmica, ficando em 720p em modo portátil e aproximadamente 900p na dock.

O melhor hack and slash do Switch?

Chegamos na minha parte favorita de analisar todo e qualquer jogo: A DIVERSÃO! Astral Chain é um jogo extremamente divertido, e principalmente: envolvente. Eu comprei no lançamento e logo de cara joguei 50 horas nele, que foi a campanha principal. Estou rejogando atualmente, e definitivamente, é o melhor hack and slash do Switch, superando até mesmo Bayonetta 2. A história me envolveu completamente, e para os mais nostálgicos, remete até mesmo a série Cybercops, que passava na saudosa Rede Manchete. O jogo é como um anime sci-fi, e uma coisa muito interessante, é que o jogo é intuitivo: você não precisa decorar combos longos, não precisa se preocupar muito. Tem uma dificuldade, mas ela não é totalmente exagerada como um Dark Souls da vida, mas não é fácil como um Kirby. É um jogo divertido e dá pra ser o comfort game de muita gente

Nem tudo é perfeito…

Mas nem tudo é perfeito no mundo: o jogo tem alguns pontos negativos. Primeiro grande ponto negativo é o fato do protagonista ser silencioso. Eu sei que existem outros protagonistas silenciosos nos games, mas de alguma forma, o protagonista desse jogo tem carisma zero. Aliás, o jogo não tem grandes personagens marcantes, tanto que a história se apoia mais no universo do que nos personagens. As partes de investigação são um pouco maçantes, especialmente para as pessoas que não entendem inglês. E pra finalizar o jogo tem alguns momentos de plataforma, que não são exatamente bons, mas como não são o foco do jogo e dá pra relevar.

E no fim o meu veredito

Astral Chain é um belo jogo e muito subestimado no Nintendo Switch. O que atrapalhou ele em se popularizar por aqui é o fato de ser uma franquia nova, ter sido lançado numa época que os jogos digitais eram mais caros que os jogos físicos, mas de alguma forma ter sido muito pouco importado… por ser uma franquia nova. Foi o primeiro jogo do Switch que, pelo menos aqui em São Paulo, estourou a barreira dos 400 reais na versão física e ninguém teve coragem de comprar na época.

É um jogo que merece muito amor, com uma ótima história, extremamente divertido, que pode ser uma boa porta de entrada pra quem não conhece os títulos da Platinum Games, nem é acostumado com jogos hack and slash. O jogo foi lançado em 2019 e está disponível na eShop Brasileira por 299 reais. Ah, e recentemente a Nintendo comprou os direitos da franquia da PlatinumGames, então Astral Chain agora é um jogo da Nintendo, sem chance de sair pra outras plataformas!

Prós:

  • Jogabilidade acessível
  • história envolvente
  • gráficos
  • trilha sonora de qualidade

Contras:

  • Protagonista sem carisma nenhum
  • level design problemático no Atral Plane

9

Últimos posts por Gui Castro (exibir todos)