Review | R-Type Final 2

Review | R-Type Final 2

28/05/2021 1 Por Paulo Cézar

Desenvolvedora: Granzella
Publicadora: Nis America
Data de lançamento: 30 de abril de 2021
Preço: R$ 203,95
Formato: Físico e Digital

Análise feita com cópia disponibilizada gentilmente pela NIS America

Direto do Túnel do tempo, R-Type Final 2 definitivamente não é o primeiro jogo da franquia R-Type, na verdade sua existência é até surpreendente, já que o último jogo inédito da série foi R-Type: Flash of the Void, um obscuro spin-off em forma de minigame do mais obscuro ainda Playstation Home exclusivamente no Japão.

Para entenderemos o porquê uma das maiores e mais influentes séries de Shoot’em ups ficou mais de uma década inteira sem títulos inéditos precisamos voltar à década de 80, mais especificamente em 1987, ano de lançamento do primeiro jogo da franquia, simplesmente nomeado R-Type, que teve uma ótima recepção na época, tanto dos críticos quanto do público.

R-Type foi originalmente lançado apenas nos arcades japoneses, porém não demorou muito para o jogo chegar ao outro lado do Pacífico. Nos Estados Unidos, a versão de R-Type foi curiosamente publicada pela Nintendo, em outubro do mesmo ano, sendo o último jogo de Arcade publicado pela mesma.

Depois de diversos títulos lançados nas mais diversas plataformas, a franquia R-Type recebeu o que deveria ser o último jogo da série: R-Type Final, em julho de 2003, contando com mais de 100 naves desbloqueáveis. Ficava claro que o jogo seria o último da série, mas se o nome não bastasse, o jogador é encarregado a continuar uma batalha que foi apelidada de Operation Last Dance. Todos os jogos da mainline até então foram desenvolvidos pela Irem Software Engineering, empresa convencida por clássicos de arcades dos anos 80, porém, devido ao tsunami ocorrido no Japão em 2011 a empresa cancelou diversos projetos, incluído Zettai Zetsumei Toshi 4: Summer Memories, jogo que veio a ser Disaster Report 4: Summer Memories, lançado originalmente em 2018.

Após o cancelamento de diversos projetos e a mudança de ramo de negócios da Irem, a maioria de seus desenvolvedores saíram da empresa, e decidiram criar a Granzella, que comprou os direitos de toda a série Disaster Report. Em junho de 2019, ela fez um anúncio extremamente inesperado! Mm crowdfunding para o mais novo jogo da série: R-Type Final 2, uma sequência para o que deveria ser o último jogo da série, que curiosamente é o assunto desta review.

O final (de novo) – R-Type Final 2

A série R-Type é conhecida por ser uma das mais tradicionais no gênero de Shmups, porém, em seus primórdios, a série trouxe algumas inovações que se tornaram marcas da série, uma delas é o uso do Force, uma esfera laranja que pode tanto funcionar de maneira independente, quanto ser acoplada em sua nave, neste jogo você possui algumas opções de customização quanto a sua Force, e diversos outros aspectos.

R-Type Final 2 talvez possua o mais complexo sistema de customização do gênero, seja ela estética ou funcional, o jogo possui mais de 50 naves até o presente momento, já que os desenvolvedores anunciaram que mais naves estarão disponíveis em um futuro update, cada uma possuindo suas particularidades e designs únicos. Apesar das funcionais serem as mais importantes, é impossível negar que o robusto sistema de customização estética rouba totalmente a cena, além de escolher a cor de sua nave e da cabine, temos um sistema de Decals — itens que podem ser comprados com pontos conquistados ao decorrer da campanha. Além disso, vale a pena citar que você também pode personalizar seu piloto, desde seu nome, data de nascimento e até seus uniformes.

A gameplay de R-Type Final 2 não foge muito do padrão da série, o jogo continua sendo um Shmup horizontal com um foco na coleta de upgrades ao decorrer de suas fases. O jogo permite que você mude a velocidade em que sua nave se move, o que pode parecer uma escolha meio óbvia, porém não tanto assim, já que apesar de ser mais fácil de desviar de projéteis inimigos, você não tem tanto controle da nave como teria em uma velocidade melhor, e o jogo deixa você mudar isso em tempo real o que é altamente apreciado.

Ao decorrer da campanha do jogo, você irá perceber uma diversidade considerável de inimigos, estruturas e boss fights. Cada fase possui temas e inimigos únicos, que conseguem formar uma campanha coesa, porém sem muita quebra de expectativa, sejam elas positivas ou negativas. Como citado anteriormente o Force, é um grande parte do que torna a gameplay da série R-Type única, sempre ao decorrer das fases do jogo você encontrara este upgrade, que possuiu diversas evoluções, que são disponibilizadas através de mais upgrades que você irá conseguir dentro das fases – sim upgrades para um upgrade – mas no geral este é um dos maiores motivos para tentar se manter vivo, já que apesar da quantidade generosa de vidas e continues que o jogo te dá, sempre que você for atingido por um projétil e consequentemente morrer, irá perder todos os seus upgrades obtidos até então.

R-Type Final 2 possui uma quantidade considerável de conteúdo extra, alguns deles sendo:

  • R Museum: Um museu que permite a visualização dos modelos tridimensionais do jogo.
  • Pilot & War Record: Um local onde você pode customizar seu personagem e sua nave, além de utilizar o modo foto do jogo.
  • Bydo Lab: Uma espécie de enciclopédia que disponibiliza informações sobre inimigos já derrotados.
  • Gallery: Seu nome é auto descritivo, é uma galeria que possui diversos artworks do jogo.

Apesar de serem adições simples, elas provavelmente irão agradar bastante os fãs de longa data da série e os interessados na lore da série.

Visualmente R-Type Final 2 busca um estilo fotorealista, mantendo-se a 60 frames por segundo, o que, pelo menos na versão de Nintendo Switch, não ocorre constantemente. Apesar da boa direção de arte e visuais, R-Type Final 2 não consegue manter sua performance estável, o que é especialmente degradante para jogos em que reflexos rápidos são importantes, coisa que Shmups são conhecidos por ser. Estes problemas são especialmente evidentes nas boss fights, onde o jogo pode ficar extremamente irresponsivo.

Apesar dos problemas de performance é preciso admitir que os R-Type Final 2 é o melhor que a série já aparentou, os cenários são diversos e bem detalhados, as transições de câmera também trazem bastante dinamismo para as fases do jogo, o projéteis disparados pelo jogador e pelos inimigos iluminam todo o cenário, trazendo ainda mais dinamismo para um gênero já conhecido por isso.

Conclusão

R-Type Final 2 é um jogo competente, mas claramente incompleto. Sua curta campanha e conteúdo ainda a ser adicionado deixa bem clara sua natureza de um jogo feito por crowdfunding, caso tivesse batido todas as metas de financiamento o jogo teria um conteúdo comparável ao seu antecessor, mas como infelizmente estas metas não foram atingidas o jogo parece um pouco menos ambicioso se comparado ao R-Type Final original. Sim, é verdade que os desenvolvedores estão adicionando conteúdo ao jogo, provavelmente com o dinheiro das vendas iniciais do jogo.

De qualquer maneira, uma coisa não pode passar despercebida, R-Type Final 2 é um jogo feito por fãs da série, para fãs da série, é claro o cuidado e conhecimento que os desenvolvedores da Granzella tem com a série, e isso é algo admirável. A jogabilidade continua sendo a melhor parte do jogo, e apesar dos problemas técnicos, R-Type Final 2 é um jogo competente, se você é fã da série você provavelmente já comprou este jogo, mas caso não seja, eu pessoalmente eu recomendaria você esperar um pouco.

Prós:

  • Jogabilidade fluída e customizável
  • Alto nível de customização disponível ao jogador
  • Boa direção artística

Contras

  • Problemas técnicos que prejudicam a experiência
  • Boa quantidade de conteúdo extra, porém com uma campanha curta

Nota Final

7,5